Três lições da crise em que vivemos

Artigo: Três lições da crise em que vivemos


O mundo foi abalado neste ano. Uma doença desconhecida trouxe em sua bagagem um grave problema de saúde pública ao mesmo tempo que provocou um verdadeiro terremoto na economia mundial. A recessão econômica trará em sua esteira desdobramentos medonhos para as nações, gerando milhões de desempregos e convulsão social. As nações estão perplexas. Os homens estão aflitos. Já são mais de 164 mil pessoas ceifadas em todo o mundo (dados de 19/04/2020). A despeito dos esforços conjugados das nações do mundo, ainda não temos uma solução pronta nem eficaz para debelar esse mal. Esse fato, enseja-nos três lições solenes: Em primeiro lugar, o poder econômico não é capaz de resolver os maiores dramas da humanidade. As principais nações atingidas até o momento são as nações mais ricas do mundo. Essas nações têm robustos orçamentos e têm usado somas astronômicas para socorrer o seu povo. Inobstante esses alentados investimentos, milhares de pessoas estão sendo ceifadas todos os dias, carecendo daquilo que é gratuito e nada custa ao homem, o ar para encher os seus pulmões. Essa doença, como um arauto solene, trombeteia aos ouvidos das nações, que o dinheiro, por mais volumoso, não tem solução para sanar todos os males que afligem a humanidade. Em segundo lugar, o poder científico não é capaz de trazer cura para todas as doenças que afligem a humanidade. Vivemos no período mais fascinante da história. A ciência tem se multiplicado. O avanço científico tem sido notório em todas as áreas. A medicina avançou sobremodo, com descobertas importantíssimas de vacinas, remédios e capacidade diagnóstica. Vivemos na antessala dos milagres da ciência. Cientistas de grande envergadura têm trazido à baila novas técnicas de tratamento e novas intervenções cirúrgicas, que têm dado ao homem maior expectativa de vida e melhor qualidade de vida. Tanto a medicina preventiva quanto a interventiva são  evidências incontestáveis dessas conquistas. Porém, a despeito de todos esses avanços, a ciência ainda não é uma luz capaz de iluminar todos os labirintos dessa doença que colocou as nações de cócoras. O poder da ciência ainda não tem resposta rápida nem eficaz para o enfrentamento dessa crise. Em terceiro lugar, o poder político não é capaz de administrar com eficiência essa crise. Os líderes mais influentes do mundo, mesmo os presidentes e ministros das nações mais ricas e opulentas do planeta, apesar de reunirem todos os seus esforços e usarem todos os seus recursos, não têm conseguido dar uma resposta eficaz. A Organização Mundial de Saúde, mesmo envidando todos os seus esforços, não consegue sanar esse mal nem sequer acalmar os corações aflitos, apontando para uma solução eficaz à vista. Da mesma forma que o dinheiro e a ciência são impotentes, o poder político também o é. Diante do exposto, fica aqui uma conclusão óbvia: os recursos da terra são colunas frágeis demais para manter a humanidade de pé. Os recursos dos homens são insuficientes para erradicar os males que afligem as nações. É necessário nessa hora reconhecer que precisamos de Deus. Só Dele pode vir o nosso socorro. Só ele é o nosso refúgio de geração em geração. É tempo de o Brasil e outras nações voltarem seus olhos para Deus. :: Hernandes Dias Lopes

7 visualizações

Rua Palmeira de leque, 510

São Paulo, SP 08061-430

ipacrioficial@gmail.com

HOME

© IPACRI - Todos os direitos reservados

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Porque ele vive posso crer no amanhã!