• IPACRI

A GRAÇA NO MEIO DA CRISE

A graça não deve ser um ensinamento ou um objeto da sua fé, deve ser o princípio da sua vida”

Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles. (Hb 1.3,4)

Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, — pela graça sois salvos, e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus. (Ef 2.4-6)

O Senhor é totalmente amável e cheio de beleza e glória, e a Bíblia diz que você está n’Ele diante de Deus. No entanto, temos encontrado muitos irmãos com o coração partido clamando por uma palavra de Deus, com medo de tudo o que está acontecendo, mas creio que a palavra de Deus para nós hoje não é para fazermos alguma coisa, e sim para vermos o que não estamos vendo. Vamos olhar para Ele e ver o seu amor enquanto somos libertos por sua graça e possamos reinar em vida (Jo 8.32).

A VERDADE É O EVANGELHO

A verdade que precisamos conhecer para sermos livres de todo medo e ansiedade é a verdade do amor e do favor imerecido de Deus em Cristo. Precisamos descobrir o quanto Ele nos ama e se importa conosco.

Muitos estão derramando lágrimas de medo e insegurança, mas eu tenho uma palavra a respeito de suas lágrimas nesses dias. Na lei da primeira menção, a palavra “lágrimas”, tanto no Velho Testamento quanto no Novo, são lágrimas de uma mulher, e Deus as recolhe como preciosas porque Ele quer enxugar as suas lágrimas. Deus quer enxugar as lágrimas da igreja hoje, Ele quer curar o seu coração, Ele quer libertá-lo de tudo que o atormenta.

Em Gênesis 21.16, foi o choro da escrava Agar que Deus socorreu, e, em Mateus 2.18, foi o choro de Raquel, esposa de Jacó, que significa “ovelha”. Deus quer enxugar as lágrimas dos que estão perdidos e rejeitados, mas também quer enxugar os olhos das suas ovelhas.

Todos nós escutamos que Deus quer o nosso bem, quer nos curar, quer que sejamos plenos, quer nos dar vida abundante, quer nos fazer prosperar, mas, no fundo do nosso coração, nós temos algo chamado consciência, e a consciência, desde Adão, participou da árvore do conhecimento do bem e do mal, veio a existir e tem roubado a nossa fé todas as vezes que olhamos para nós.

Você tem o direito de ser curado e suprido pelo direito legal que lhe foi dado na cruz de Jesus.

Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. (Jo 1.17)

A lei foi dada por um servo, a graça veio por um filho. A verdade está do lado da graça, e não da lei. A lei é verdadeira, mas não é a verdade que liberta. Quando Jesus estava falando sobre “conhecer a verdade e ela libertará”, Ele estava falando com o os judeus, que conheciam a lei desde os 5 anos de idade. Graça e verdade vieram por Jesus Cristo. No primeiro milagre da lei, Moisés transformou água em sangue, resultando em morte. No primeiro milagre da graça, Jesus transformou água em vinho, resultando em vida e celebração.

Jesus disse: “Conhecereis a verdade”, e esta é a verdade que Ele quer que você conheça hoje, uma graça totalmente pura, que vai libertá-lo de todos os “fantasmas” que rondam a sua mente e a sua vida nestes dias e sempre.

CRISTO É O NOSSO REPRESENTANTE PERFEITO

O sumo sacerdote é um lindo retrato daquilo que Jesus está fazendo assentado à destra do Pai. Por dois mil anos, Ele tem sido o sumo sacerdote da igreja, e a igreja está ignorante disso. Ele não está lá tentando achar falhas em nós para nos punir com uma pandemia; antes, Ele está nos representando diante do Pai.

A imagem da nação dependia da imagem do sacerdote diante de Deus. Se o sacerdote fosse ruim, Deus rejeitava toda a nação; se ele fosse bom, Deus aceitava e abençoava toda a nação. Eles não podiam esperar um ano abençoado, grandes colheitas e vitórias sobre os inimigos porque o sacerdote havia errado, mas quando era bom, eles se alegravam.

Nisto é em nós aperfeiçoado o amor, para que, no Dia do Juízo, mantenhamos confiança; pois, segundo ele é, também nós somos neste mundo. (1 Jo 4.17)

Já seria muito bom se a Bíblia dissesse que somos tal qual Ele foi às margens da Galileia, mas ela diz que somos tal qual Ele é hoje, presente, assentado à destra de Deus. Ele está coroado com honra e glória, toda autoridade lhe foi dada no céu e na terra, acima de todo principado e potestade, reino e domínio, acima de todo nome que existe no céu, na terra e debaixo da terra, agora e no mundo que virá. Ele é o vencedor sobre toda e qualquer crise que existe ou venha a existir no mundo.

E ela diz que tal qual Ele é agora mesmo, nós somos neste mundo. Será que o Senhor tem doença, vírus, depressão, ansiedade, medo, pobreza, pânico, morte? Não. Será que Ele tem todo poder e domínio, sobre tudo? Sim. TAL QUAL ELE É, NÓS SOMOS.

TORNAMO-NOS SEMELHANTES ÀQUELE QUE CONTEMPLAMOS (2 CO 3.18)

Para vivermos a realidade do que Cristo é hoje e caminharmos em vitória no meio da crise, precisamos olhar para Cristo. O Espírito Santo nos transforma quando contemplamos Jesus. O que você pensa que aconteceu com Pedro quando ele viu Jesus andando sobre as águas, acima das ondas? Ele se tornou como Jesus, andou sobre as águas. Você sabe que não pode fazer isso, mas quando você olha para Ele, o Espírito Santo o faz ser como Ele.

Por isso, o diabo quer que você foque em si mesmo e lhe diz: “Olhe o pensamento que você tem, olhe os seus sentimentos, os seus erros, você não pode estar protegido, há brechas em você”. Ele quer você condenado, culpado. Por isso, a fé não funciona, porque você está debaixo de culpa e condenação. Mas o Espírito Santo lhe mostra Cristo. O Senhor disse que, quando o Espírito Santo viesse, Ele o glorificaria. Esquecemo-nos de que o evangelho não é sobre nós, e sim sobre Ele, o lindo Senhor Jesus Cristo. Ele veio para servir, para lavar os seus pés.

Estes são dias em que precisamos receber. É difícil para nós entendermos isso, que, no relacionamento com Ele, diferentemente do relacionamento com os homens, é mais abençoado receber do que dar, pois, no relacionamento com os homens, é mais abençoado dar do que receber, mas com Ele não.

Em relação ao Senhor, Ele quer que você receba. Na história de Marta e Maria, Marta estava muito ocupada, enquanto Maria estava apenas recebendo. Maria escolheu a melhor parte e isso não lhe seria tirado, apenas fique recebendo d’Ele. No poço de Samaria, Jesus estava cansado, mas a mulher veio e recebeu d’Ele. Quando os discípulos voltaram com a comida, perceberam que Ele havia sido fortalecido, estava satisfeito, por quê? Porque uma mulher pecadora veio e recebeu d’Ele.

Com o homem, quando você recebe dele, você o esgota, mas, com o Senhor, quando você recebe d’Ele, você o fortalece.

Que darei ao SENHOR por todos os seus benefícios para comigo? Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do SENHOR. (Sl 116.12,13)

O salmista pergunta como agradecer ao Senhor pelo que Ele tem lhe dado, e o verso 13 responde: “Tome mais d’Ele”. Esta é a maneira, tome e tome e tome mais. Ele ama isso, quando você toma d’Ele, é como se você o fortalecesse, mas, na verdade, é porque, quando você toma d’Ele, você o coloca na posição de Deus, que de fato Ele é, e isso o honra. Entretanto, para receber, você precisa de fé. A lei rouba a fé, a graça aumenta a fé. Não olhe para você ou para as circunstâncias que o cercam, olhe hoje para Cristo e experimente a sua vitória em dias de crise.

OS FORA DA LEI PODEM TER UMA GRANDE FÉ

O problema de dependermos de nós para vencermos no meio da batalha é que perdemos a fé, pois não somos capazes de cumprir as exigências. Uma das expressões que Jesus usa com frequência nos Evangelhos com os discípulos é: “Oh, homens de pequena fé!” Nunca diz: “Oh, homens de pequena oração!” ou “Oh, homens de pequeno jejum!” ou “Oh, homens de pequena obediência!”, mas é sempre homens de pequena fé.

Quando você entender o que Ele quer dizer, até essas expressões são de grande encorajamento, porque a fé é tirada d’Ele. Ele está dizendo: “Por que vocês tiram tão pouco de mim quando eu tenho tanto para dar, sou inesgotável na minha bondade, na provisão, por que vocês tomam tão pouco?” Jesus veio para servir, tudo o que Ele é e tem é para nos servir, mas ainda dizemos que Ele não lavará os nossos pés, isso é falsa humildade, ele quer lavar os seus pés.

No Antigo Testamento, as pessoas precisavam se arrepender para depois receber, mas, no Novo Testamento, recebemos primeiro e a bondade de Deus nos leva ao arrependimento. A graça não deve ser um ensinamento ou um objeto da sua fé, deve ser o princípio da sua vida. Ela é a pessoa de Jesus. Quando você toca n’Ele, você toca na graça. O diabo quer que você coloque o foco em si mesmo, mas Deus quer que você foque em Jesus, na sua beleza e amabilidade.

Qual o segredo para uma grande fé? Somente duas vezes nos Evangelhos se menciona que alguém teve grande fé, uma vez foi o centurião, e a outra foi a mulher siro-fenícia. Qual é o denominador entre eles? São pessoas totalmente distintas: um era um soldado, e a outra, uma dona de casa; um era homem, e a outra era mulher. A resposta é que eles não estavam sob a LEI, não sabiam sobre os Dez Mandamentos, só tinham conhecimento de Cristo.

Não é que Deus esteja pegando mais leve com o pecado, Ele continua sendo Deus, que é muito santo, mas algo aconteceu que nos faz estar nesse tempo presente: “Agora, pois, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo” (Rm 8.1). Quando sabemos que não estamos indo muito bem, mas ainda assim não há condenação, o medo e a incredulidade vão embora e a fé é aumentada.

O QUE JÁ ESTÁ PAGO NÃO PODE SER COBRADO

Muitos estão tentando pagar o que já foi pago e por isso estão naufragando na fé em meio às tormentas que estamos passando. A mulher pega em adultério foi pega no ato e foi levada a Jesus pelos fariseus que queriam apedrejá-la (Jo 8.3-11). A lei era muito dura para as mulheres. Disseram a Jesus que, na lei, Moisés disse que ela deveria ser apedrejada e perguntaram-lhe o que Ele diria. Se Jesus dissesse que não deveriam apedrejá-la, teria quebrado a lei, e, se dissesse para apedrejá-la, chocaria todos os que o estavam ouvindo falar sobre o amor e a graça de Deus. Então, Jesus, com o seu dedo, escreveu no chão.

A questão não é o que Ele escreveu, mas o fato de ter escrito no chão. Em Israel, o lugar onde os doutores da lei ensinavam e onde Jesus estava não era terra, era pedra. Ele se abaixou para escrever na pedra. Era o dedo de Deus escrevendo nas pedras, ou seja, era Ele dizendo aos fariseus: “Vocês querem falar comigo sobre a lei? Moises mandou apedrejar e vocês querem falar comigo sobre isso, mas eu sou o que deu a lei”. E Jesus liberou a plenitude da luz da lei sobre a consciência deles quando disse que aquele que não tivesse pecado que atirasse a primeira pedra.

Então, Jesus se abaixou novamente e, com o dedo, escreveu no chão pela segunda vez. Quantas vezes Deus deu a lei? Duas. Na primeira vez, Moisés quebrou, e, na segunda vez, Deus mandou colocar debaixo do propiciatório, ele não queria ver porque a misericórdia triunfa sobre o juízo. Quando você volta para a lei, você cai da graça (da graça decaíste – Gl 5), quer dizer que a graça está por cima. A lei estava debaixo do propiciatório. A graça está mais alta. Para voltar à lei, você precisa cair da graça, e foi isso que aquele povo de Bete-Semes fez, olharam para dentro da arca e foram feridos quando contemplaram a lei.

Quando ensinamos os Dez Mandamentos, nós os tiramos de debaixo do propiciatório, e o resultado é morte. Coríntios chama a lei de ministério da morte. A única parte da lei que foi gravada em pedras foram os Dez Mandamentos, e Deus chama de morte (2 Co 3.7).

Os que ministram a lei matam as pessoas pouco a pouco e ainda perguntam por que eles não têm fé. Muitos pregadores estão fazendo isso hoje, dizendo que essa pandemia é culpa da igreja. Jesus abaixou-se pela primeira vez, escreveu no chão e disse que quem não tivesse pecado atirasse a primeira pedra (Jo 8.3-11). Não havia ninguém capaz para isso; na verdade, havia apenas um que poderia fazer, Jesus.

O pensamento dos fariseus sobre essa mulher é que a apedrejariam se pudessem, mas não podiam. Jesus, por outro lado, podia, mas não fez isso. Jesus perguntou àquela mulher onde estavam os seus acusadores, e ela, com os olhos em lágrimas, olhando ao redor, disse: “Foram embora, Senhor. E Ele disse: “Nem eu te condeno, vá e não peques mais”. Jesus lhe deu o presente de nenhuma condenação e lhe deu poder para ir e não pecar nunca mais.

Quando ela foi embora, Jesus cumpriu a lei. Ele disse ao Pai: “Coloque isso também na minha conta, eu vou pagar por isso”. Pois Ele precisava pagar por isso. Não é que Deus esteja pegando leve com o pecado e por isso não há mais condenação. Não. Deus continua sendo muito santo, o motivo pelo qual não há mais condenação para nós é porque, há dois mil anos, lá no madeiro, Jesus, o Filho de Deus, foi pendurado por nós e Deus liberou toda a sua ira santa e indignação contra todos os nossos pecados, os quais Jesus carregou no seu corpo e recebeu açoites e mais açoites da lei que foi quebrada.

Deus liberou sobre o seu corpo, e Jesus absorveu tudo isso e bradou de uma só vez: “ESTÁ CONSUMADO”. Esta é a razão por que agora não há nenhuma condenação. Os seus pecados não escaparam, eles foram condenados. Mas, se Deus condenar você hoje pelos pecados que Ele condenou Jesus quando carregou os seus pecados, Ele seria injusto. Porque Ele carregou tudo aquilo, a justiça de Deus e a sua santidade não podem mais condená-lo. Se Ele o condenar hoje, Ele vai ser injusto, foi Ele que planejou assim. O diabo nunca pode saber a sabedoria de Deus na cruz de Jesus. A cruz lhe dá o justo fundamento para você desfrutar do dinheiro que tira do banco, é o fundamento justo. E como Deus pode ser justo ao receber pecadores sem se comprometer?

Há na justiça algo que se chama “Double Jeopardy Clause”, encontra-se prevista na 5ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos [01], que estabelece que “ninguém poderá ser por duas vezes ameaçado em sua vida ou saúde pelo mesmo crime”. Trata-se, na verdade, da chamada regra da vedação da dupla punição pelo mesmo crime ou da aplicação do princípio do “ne bis in idem”, o que, trocando em miúdos, diz que o mesmo crime não pode ser julgado duas vezes.

Os seus pecados foram uma vez punidos no corpo do seu salvador, e, se outra vez forem punidos no seu, isso seria injusto, um abuso da justiça. PORQUE ELE FOI CONDENADO, VOCÊ NAO PODE SER CONDENADO.

A GRANDE TROCA DA LIBERDADE

Naquela cruz, Ele gritou: “Meu Deus, meu Deus, por que me desamparaste?” Ele gritou bem alto para que todos pudessem ver que Deus o abandonou. Jesus não era mais agradável ao Pai naquele momento na cruz. Ele gritou: “Meu Deus, por que me desamparaste?” para que possamos hoje, no meio da crise, saber que Ele não nos desamparará. Jesus não merecia a maldição, mas a recebeu por nós. Não merecemos ser abençoados, mas recebemos pela troca divina.

O Salmo 88.18 diz que o Pai desviou d’Ele amigos e companheiros para que possamos ter hoje o amigo e companheiro. Ele gritou: “Por que me desamparaste?” para que hoje Deus possa lhe dizer: “NUNCA TE DEIXAREI, NEM TE ABANDONAREI”. Ele usou uma coroa de espinhos para que possamos hoje ser coroados com paz. A grande paz que excede todo entendimento. Receba isso agora.

A primeira área em que Jesus derramou o seu sangue foi no jardim. A ciência médica diz que, quando alguém está debaixo de forte pressão, os seus vasos capilares se rompem e o seu suor e sangue se misturam. E a Bíblia diz que Jesus suou sangue. Ele sofreu todo o estresse e ansiedade para que você pudesse hoje ter perfeita paz, não importa a situação pela qual esteja passando. Ele já venceu tudo por você para que você possa descansar.

Como Ele ama você! Você é amado, e o perfeito amor lança fora todo medo, que é o amor d’Ele por você. Nós o amamos porque Ele nos amou primeiro. Jesus disse que as raposas têm os seus covis, e as aves, os seus ninhos, mas Ele não tinha onde repousar a cabeça (Mt 8.20). Ele veio como estrangeiro divino ao nosso mundo, veio de muito longe para nos amar. Não tinha lugar para reclinar a cabeça. Mas, finalmente, na cruz, no Evangelho de João, diz que, quando gritou: “Está consumado!”, inclinou a cabeça e rendeu o seu espírito (Jo 19.30). Esta é uma posição de poder.

E ensinava no sábado, numa das sinagogas. E eis que estava ali uma mulher que tinha um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; e andava curvada, e não podia de modo algum endireitar-se. E, vendo-a Jesus, chamou-a a si, e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade. E pôs as mãos sobre ela, e logo se endireitou, e glorificava a Deus. (Lc 13.10-13)

Por anos, aquela mulher estava encurvada. Era assim, encurvada, que ela via a vida, a comida da serpente, ela identificava as pessoas por seus dedos, e a Bíblia diz que Jesus a viu. Naqueles dias, havia uma divisão na sinagoga entre homens e mulheres, elas ficavam do outro lado da parede, e aquela mulher ainda estava encurvada. Jesus a viu e a chamou. Por dezoito anos, ela estava encurvada pelo espírito de enfermidade. Dezoito é o número do diabo: 6+6+6. Ela sempre ficava olhando para a vida, olhando para a poeira, mas Jesus disse: “Mulher, estás livre”.

O chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que se deve trabalhar; vinde, pois, nesses dias para serdes curados e não no sábado. Disse-lhe, porém, o Senhor: Hipócritas, cada um de vós não desprende da manjedoura, no sábado, o seu boi ou o seu jumento, para levá-lo a beber? Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos? (Lc 13.14-16)

Mas o líder da sinagoga disse: “Seis dias há em que devemos trabalhar”, ou seja, há seis dias em que o homem deve trabalhar. A ideia dele de dever é que o homem deve trabalhar, performance. Jesus disse: “Não convinha soltar da prisão?” O homem tinha a prisão na sua mente, a performance, ele tinha a lei na sua mente. Jesus tinha amor na sua mente, Jesus tinha liberdade na sua mente, tinha abertura de prisão na sua mente. O fariseu disse que o homem deve trabalhar. Jesus disse que essa mulher deve ser liberta. E eu declaro para você hoje, em nome de Jesus, VOCE ESTÁ LIVRE DE TODO MEDO E MALDIÇÃO DESSA CRISE!

PERGUNTAS PARA COMPARTILHAR:

1 – Qual é o resultado de estar sob a lei?

2 – O que é necessário fazer para obter a vitória na crise? 

0 visualização

Rua Palmeira de leque, 510

São Paulo, SP 08061-430

ipacrioficial@gmail.com

HOME

© IPACRI - Todos os direitos reservados

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Porque ele vive posso crer no amanhã!